"A esperteza beneficia um, a organização beneficia a todos."

Em um recente texto intitulado “Será que ser esperto é uma virtude?”, Max Gehringer traz a tona questionamentos acerca de ações tidas como de esperteza dentro das empresas, e que refletem em nosso cotidiano em ações simples como furar uma fila, versus organização e criatividade.


“Um dos desafios das empresas brasileiras sempre foi o de convencer alguns de seus funcionários a serem um pouco menos espertos e um pouco mais organizados. Porque esperteza e criatividade não são sinônimos. Esperto é quem acha que pode ludibriar o sistema. Organizado é quem vê as vantagens de entender o sistema e, dentro dele, exercitar a criatividade. - Max Gehringer”


Podemos trazer esses questionamentos e insights para a nossa realidade, inseridos no universo da Ameaça Interna nas empresas. Nesse sentido, é necessário identificar os colaboradores que agregam e trazem organização para a equipe, bem como refletir sobre o quanto um colaborador que sempre pauta suas ações baseado na esperteza pode vir a acarretar problemas.


Para tal, convidamos você a conhecer mais sobre o Programa de Prevenção da Dimensão Humana do Risco da IntellConn, cujo foco principal é auxiliar as organizações na Gestão do Risco de Ameaça Interna. Entre em contato com um de nossos analistas. Será um prazer atendê-los.


E para ler o texto completo do Max clique aqui

0 visualização0 comentário